Perguntas Frequentes

  • 1.  Existe uma periodicidade fixa entre consultas?

    A periodicidade das consultas varia de acordo com as necessidades individuais. A média situa-se em 1x/mês mas esta não é fixa. Na primeira consulta, após avaliação completa, há um aconselhamento personalizado da periodicidade média para o seu caso mas esta será sempre acordada consulta a consulta de acordo com o pretendido, podendo ir de 15 dias a 3 meses.

  • 2.  Tenho de me comprometer com um programa pré-estabelecido?

    Não existem programas pré-estabelecidos ou contrato com o qual tem de se comprometer. Na primeira consulta é realizado um aconselhamento do tratamento a seguir segundo o objetivo delineado e o acompanhamento subsequente é feito pela marcação de consulta a consulta.

  • 3.  São prescritos suplementos, medicamentos ou refeições pré-preparadas?

    Não. A intervenção é baseada exclusivamente em educação alimentar. Não são prescritos suplementos ou outros para emagrecimento. Saber o que comer, como e quando, com mudança de hábitos alimentares com os quais o paciente se sinta bem é a nossa prioridade sendo, na nossa perspetiva, a única via para atingir os objetivos de forma saudável e sustentada a longo prazo.

    Os únicos suplementos que são aconselhados, quando necessário, são suplementos multivitamínicos e suplementos desportivos.

  • 4.  O plano alimentar é prescrito na primeira consulta?

    Sim, o plano alimentar é prescrito na primeira consulta. A primeira consulta é uma consulta de avaliação completa e de prescrição do plano alimentar segundo todos os parâmetros avaliados: história clínica, medicação, valores de análises sanguíneas; análise da composição corporal por exame de bioimpedância e estilo de vida, incluindo os hábitos e preferências alimentares e a prática de exercício físico.

  • 5.  É um acompanhamento específico para mim?

    A prescrição do plano alimentar e acompanhamento é totalmente personalizado segundo o objetivo, história clínica, estilo de vida, rotina alimentar e composição corporal. É depois continuamente avaliado/a e são realizados os ajustes necessários com o decorrer da evolução, dificuldades sentidas ou qualquer alteração.

  • 6.  Não tenho horários regulares. O plano alimentar é flexível?

    Sim, o plano confere-lhe autonomia na gestão dos horários das refeições. É tido em conta o estilo de vida, incluindo a variabilidade de horários. São-lhe explicitadas todas as hipóteses de gestão do plano para que o possa fazer à medida do seu dia-à-dia.

  • 7.  Há alimentos que não aprecio/que não fazem parte da minha rotina alimentar. Terei de mudar?

    O plano é totalmente adaptado aos seus gostos, preferências e hábitos alimentares. A sua rotina alimentar é avaliada na primeira consulta de forma a que o plano vá ao seu encontro o mais possível. Os três princípios do nosso acompanhamento são sempre: ser passível de pôr em prática, ser prático e que vá ao encontro de uma “normalidade” com a qual se sinta bem.

  • 8.  Estarei limitado/a à ingestão de alimentos específicos? Vou comer sempre o mesmo?

    O plano alimentar pode contemplar todos os alimentos possíveis de acordo com as suas preferências. O que é estabelecido é a frequência de ingestão de cada um e a forma de variar e de agrupar os alimentos em cada refeição. Pode-lhe ser conferida mais ou menos autonomia na gestão dos alimentos a ingerir e dos horários, segundo a sua preferência.

  • 9.  Já experimentei várias dietas mas não mantenho a longo prazo. O acompanhamento dá-me autonomia para manter a longo prazo as metas alcançadas?

    O que muitas vezes explica o retrocesso das metas alcançadas não é o não cumprimento das recomendações, mas sim o facto de o processo ser em si limitado a longo prazo (quanto ao tipo de alimentos, quantidades, flexibilidade e variabilidade ou por se recorrer a suplementos ou outros sem que haja mudança efetiva de alimentação). Este afastamento da “normalidade” torna impraticável a manutenção a longo prazo de qualquer que seja a meta alcançada.

    Os três princípios que regem o nosso acompanhamento nutricional de: “ser passível de pôr em prática”, “ser prático” e “que vá ao encontro de uma normalidade com a qual se sinta bem” conferem-lhe uma mudança sustentada de hábitos alimentares, permitindo-lhe gerir autonomamente a sua alimentação de forma natural a longo prazo, sem ter de depender para sempre de um plano alimentar ou de estratégias de curto-prazo.

  • 10.  Pretendo uma educação alimentar para o meu filho/a. O acompanhamento é exclusivo para ele ou a nossa rotina familiar é tida em consideração?

    O acompanhamento nutricional em idade pediátrica (dos 2 aos 18 anos) é realizado através da Consulta de Nutrição Pediátrica. Nestas idades, qualquer mudança incluindo a mudança de hábitos alimentares, deve ser sustentada e facilitada pela estrutura de apoio dos pais de forma a ser eficaz. Deste modo, o acompanhamento nunca pode ser exclusivo para a criança ou jovem sem que sejam consideradas e avaliadas as rotinas familiares. Quando a mudança de hábitos do seu filho/a está a ser condicionada pelos hábitos alimentares familiares aconselhamos a passagem a Consulta Pediátrica Familiar.

  • 11.  Planeio engravidar. Qual é a altura ideal para ter a primeira consulta de nutrição?

    O conhecimento atual tem mostrado que a nossa saúde em fase adulta é, em grande parte, programada durante a gestação. Desta forma, a gravidez deve, sempre que possível, ser programada e preparada com antecedência, inclusive do ponto de vista nutricional. A primeira Consulta de Nutrição na Gravidez deve acontecer idealmente cerca de 4 a 6 meses antes da concepção para que se possam corrigir possíveis carências nutricionais, melhorar o estado nutricional e atingir um peso adequado (caso tenha excesso de peso ou baixo peso para que inicie a gravidez com um peso saudável).

  • 12.  Pretendo adoptar uma alimentação vegetariana. Existem contraindicações?

    A alimentação vegetariana não tem contraindicações desde que, como em qualquer regime de alimentação, satisfaça as necessidades energéticas e nutricionais do organismo. Pode, no entanto, ser um regime mais propenso ao desenvolvimento de desequilíbrios nutricionais pela divulgação de informação pouco fidedigna nesta área, pelo que se torna essencial ser acompanhado idealmente ainda na fase de transição de regime alimentar.

  • 13. Tomo ou quero tomar suplementos desportivos. É realizada a adequação ao plano alimentar e aconselhamento do que tomar?

    Sim, é realizada a adequação da suplementação em função do balanço alimentação vs. esforço físico. Privilegiamos o alcance das necessidades energéticas e de nutrientes através da alimentação. Quando tal não é possível, realizamos um aconselhamento personalizado do(s) suplemento(s) adequados ao seu caso. O mesmo acontece se já tomar suplementos. Avaliamos a necessidade de tomar ou não ou se devemos ajustar o tipo de suplemento e/ou dose.

  • 14.  Sou atleta e procuro acompanhamento nutricional profissional. Devo marcar Consulta de Nutrição Desportiva ou recorrer aos serviços de Consultoria Desportiva?

    A Consulta de Nutrição Desportiva destina-se a desportistas ao nível individual, seja por lazer ou de nível profissional, que procuram a Consulta de Nutrição por si só. Na 1ª Consulta é realizada a avaliação completa e prescrição do plano alimentar e pode depois continuar o acompanhamento com uma periodicidade ajustada à evolução e às necessidades.

    A Consultoria Desportiva destina-se ao cliente institucional (clubes ou atletas federados) que procuram um serviço abrangente para um determinado objetivo (por ex. preparação para uma temporada/competição concreta) para a qual a Nutriente apresenta uma solução completa à medida do que é pretendido.

  • Dra. Tânia Jorge | Nutricionista

    Marque já a sua consulta!